Manual de trânsito para comilões inveterados

Lucio Luiz
@lucioluiz

Publicado em 17 de junho de 2009

Gordo de Raiz, por Lucio Luiz

Carro gordinhoUm gordo de raiz consegue comer em qualquer lugar e situação, mas alguns não iniciados ainda têm dificuldade para resolver uma das grandes questões da humanidade que separa os gordos profissionais dos amadores: Como comer no carro enquanto se dirige?

Antes de mais nada, é importante lembrar que, tecnicamente, o código de trânsito não permite que se coma ao volante. Afinal, isso pode te distrair e ter consequências drásticas. Ou seja, dou essas dicas, mas não as pratico (ahan, sei…). Se você quiser fazer algo que está aqui, não ponha a culpa em mim, já que só mesmo sendo muito trouxa pra seguir o que está em um blog.

O carro de um gordo é reconhecido por dois fatores: Biscoitos e migalhas. Afinal, nada mais prático que um pacote de Maizena para matar a fome gerada pela estafante tarefa de mudar as marchas (se o carro for de câmbio automático, é só dizer que o cansaço é provocado pela atenção extremada ao se pisar no acelerador de maneira equilibrada).

As migalhas, contudo, são um problema. Um gordo de raiz não quer chegar em casa e ter que aspirar o carro todo, ora bolas. Para resolver isso e não deixar rastros que serão descobertos pela patroa, que vive exigindo de você uma dieta, basta seguir duas técnicas básicas: Nunca leve um pacote novo, sempre tire uns dois dedos de biscoito para que você possa fechá-lo; e, mais importante, abra só a parte de cima (não “arregace” o pacote) e retire um biscoito por vez. Escolha os mais consistentes e que esfarelam pouco e dê preferência para os que vêm em “caixinha” (Cookies, Calipso ou aqueles amanteigados que são vendidos em caixas de metal, por exemplo).

Chocolate não é uma boa ideia se você mora num lugar muito quente. Ele vai fatalmente derreter em sua mão e isso pode ser muito nojento. Mas se fizer questão de sentir o gostinho de cacau industrializado, uma alternativa é, antes de sair de casa, envolver pedaços de chocolate em casquinha de sorvete. Fazendo isso, você provavelmente não terá problemas ao devorar o dito cujo e nem precisará jogar fora a embalagem, já que a comerá também.

Por falar nisso, nunca jogue embalagens na rua. Isso é coisa de porco e os gordos de raiz zelam pela boa imagem dos peso-pesados. Aproveite o espaço que geralmente tem na porta do motorista para jogar todos os restos, de preferência forrando com um saco plástico para não dar trabalho na hora de catar cada coisinha e jogar fora ao chegar em casa. Não somos porcos, mas somos preguiçosos.

Obviamente, não pode ficar de fora desse manual a melhor coisa para os gordinhos que gostam de lanchar no carro: Os drive-thru! Infelizmente, muitos motoristas comilões os evitam por não saber como acomodar a comida de forma a não causar desastres (não falo de acidentes de trânsito, mas de coisas mais sérias como a batata frita caindo no tapete sujo).

A solução é incrivelmente simples: Use o cinto de segurança. Não estou falando de você, que provavelmente já o estará usando, mas da comida. Pegue o saquinho de batatas e a caixinha do hambúrguer e os prenda com o cinto de segurança no banco do carona. Devem, claro, estar ao alcance da sua mão direita (ou esquerda, se você morar na Inglaterra). Sugiro colocar mostarda e ketchup antes de voltar a dirigir. Depois, é só mordiscá-los aos poucos nos momentos mais propícios (em retas e na pista de baixa velocidade).

No caso do refrigerante, o melhor lugar para posicioná-lo de maneira segura é no “buraquinho” que costuma ficar perto do freio de mão. A maneira ideal de beber é sugando um bom volume de líquido pelo canudinho e ir saboreando aos poucos enquanto se dirige. Isso também vale para sólidos: Morda mais do que você consegue mastigar para durar mais tempo na boca. É meio nojento, mas é melhor do que ficar fazendo contorcionismo no carro a cada trinta segundos para dar uma nova mordida.

Como a coluna já está muito longa, deixo para outra oportunidade as dicas de sobrevivência contra o ataque daqueles vendedores de rua que brotam do chão quando pegamos um engarrafamento.

Ah… Algumas últimas instruções: Nunca esqueça de deixar guardanapos ao alcance da mão. De preferência também use um babador (ou uma camisa velha) e abra o vidro na hora de arrotar. E fique sempre atento ao limite de comida que pode provocar reações intestinais de consistência sólida ou gelatinosa. Comer ao volante é tranquilo; descomer, não. Nesse caso, não tem guardanapo nem aspirador de pó que deem jeito!

Publicidade

Comente no Facebook

Comente no Site

4 respostas para “Manual de trânsito para comilões inveterados”

  1. .
    .
    HAHAHAHA.
    .
    Perfeito Lúcio… se bem que eu como um bom "gordo de raiz" já usava a maior parte desses macetes… Valeu!
    .
    .

  2. Hahaha que genial!

    Mas essa de usar o cinto do carona já é manjada por mim!

  3. Pemba Maluca disse:

    Realmente gordo é gordo em todo lugar… utilizo todas essas técnicas (inclusive a do cinto que eu pensava que somente eu conhecia)…

    Outro dia estava "tentando" chegar em casa do trabalho e como, 45 minutos depois ainda conseguia ver pelo retrovisor o prédio em que trabalho, resolvi para em um posto e comprar Ruffles… são excelentes para comer no transito, entretanto fazem uma bela sujeira…

  4. […] trânsito nas grandes cidades é tão ruim que nenhum gordinho abre mão de uns bons lanchinhos no carro (seja no engarrafamento ou em […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *