Uma festa junina divina

Lucio Luiz
@lucioluiz

Publicado em 24 de junho de 2009

Santos-Junina

– Libera a chave, Pedro!
– Nem pensar, Antônio!
– Mas, Pedro, basta tu me entregares a chave da despensa para prepararmos os festejos, ó pá.
– O Chefe me confiou todas as chaves daqui e disse para eu mantê-las comigo.
– Então porque tu mesmo não abres?
– Porque eu não concordo com essa história de fazer presepada aqui, em local sagrado.
– E aí, Antônio? Pedro já te deu a chave?
– João, João… Você fica parecendo um menino nessa época do ano…
– E aí? E aí?
– Nada de chave! Não podemos ter festas aqui em cima! Ordens do Chefe!
– Ah, é? Deixa eu ligar para o meu primo, então… Alô?… Sou eu, Joãozinho, tudo beleza? Será que não dava pra pedir pro seu Pai deixar a gente fazer uma festinha junina só dessa vez? Sim, falo direto com ele. Oi, Tio! Sim… Sim… Tá bom, prometo parar de ensaiar meu dó-ré-mi toda noite e deixar Seus ouvidos em paz. Valeu, Tio! Tchau! Ele liberou, Pedro.
– Hmpf… Odeio nepotismo…

A contragosto, Pedro entrega as chaves da despensa para os dois animados representantes divinos, que pegam todas as coisas necessárias para uma bela festa junina. Material para a pescaria, antigas vestes angelicais remendadas, comida…

– Nada de salsichão!
– Como assim, Pedro?
– Acabei de acertar tudo com o Chefe. Vocês podem fazer a festa junina, mas nada de alimentos de duplo sentido. Nem bebida alcoólica.
– E sobra o quê?
– Danças e folguedos, creio eu.
– Você não gosta muito disso porque quando chega o seu dia, todo mundo já está cansado de festa, né?
– Bobagem.
– Bom… Um forrozinho dá pra rolar, né?
– Só os que não tiverem letras de dupla conotação.
– Existe?
– Ah… E um representante do Ecad já apareceu por aqui querendo cobrar os direitos autorais. Por sorte, não conseguiu nem pisar nas nuvens e foi direto lá pra baixo.
– Menos mal. Correio elegante rola?
– Desde que traga apenas versos de oração. Além disso, não esqueça: Seu primo deixou claro que vocês precisam convencer a Madalena a não fazer a barraca de beijos.
– Você vai cuidar da pescaria?
– Não é porque já fui pescador que vou ficar com essa responsabilidade. Que tal o Antônio?
– Nah. Ele gosta de ficar pregando aos peixes de verdade, não cuidando de peixinhos de papel. Além do mais, umas anjinhas solteiras já amarraram o coitado de cabeça pra baixo lá atrás. Bom… Acho que podemos começar…
– Só mais uma coisa!
– Aff… O que foi agora?
– Nunca, jamais, em hipótese alguma, grite “Olha a cobra” durante a quadrilha!

Depois de muito trabalho, a festa finalmente começa. João está desanimado com a falta de fogos e barulho. “Ordens do Chefe”, era o que sempre ouvia ao reclamar. Ele chama Antônio, que conseguiu se livrar das cordas e está limpando suas sandálias do montão de fios de cabelo no qual foi obrigado a pisar. Ambos resolvem alegrar os anjinhos, que passeiam tão desanimados pela festa, especialmente depois que todas as prendas do pau-de-sebo acabaram em poucos segundos, já que todo mundo chegava lá no alto voando.

Mesmo contra as ordens recebidas por Pedro, ambos colocam no som estéreo um CD de forró arrasta-pé da melhor qualidade. Porém, quando a música começa, os anjinhos vão despencando das nuvens um a um. O ritmo estava deixando todo mundo de um jeito não muito angelical, levando-os direto… bem… lá pra baixo.

João, Antônio e Pedro observam atônitos o acontecimento e engolem em seco quando o telefone de João toca… É seu primo!

– Alô?… Sim… Cara, foi mal. Seu Pai está chateado? Eu sei que ele falou que não era pra botar essas músicas… Ah, é?… Ah… Falou direto com o carinha lá de baixo? Sério? Maravilha! Tchau, primão!
– E aí, João, o que houve?
– Os anjinhos que caíram… Eles ligaram para o 0800 divino e contaram que a festa lá em baixo está mil vezes mais animada que aqui! Como as coisas lá por baixo andavam chatas e isso animou o pessoal, o Tio entrou num acordo com a galera de lá e, quando tudo acabar, os anjinhos voltam devidamente perdoados. Ah… E a gente ganhou autorização especial para dar uma passadinha por lá e brincar também!
– E o que diabos fez com que a festa lá de baixo desse certo e a daqui, não?
– É que lá todo mundo pode pular fogueira à vontade e ainda tem música ao vivo com uma porção de bandas de forró.

Publicidade

Comente no Facebook

Comente no Site

3 respostas para “Uma festa junina divina”

  1. Legal o texto.
    E lá embaixo além de poder pular fogueira de verdade, vai estar cheio de bandas de forró. ¬¬

  2. BWA-HAHAHAHAHAHAHAHA

    Disse tudo!

  3. Jonas Rolim disse:

    muito bom cara, excelente texto..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *